A MANDALA DE KALACHAKRA ...




Mandala representativa do Ensinamento Kalachakra .
A mandala de Kalachakra é dedicada à paz e ao equilíbrio interior e exterior.
Ao observá-la, pode-se sentir a paz em muitos níveis.
Segundo o Dalai Lama, as divindades da mandala criam uma atmosfera favorável, reduzindo a tensão e a violência.
"É um modo de plantar uma semente, e esta semente terá seu efeito kármico. Não é necessário estar presente à cerimônia de Kalachakra para receber seus benefícios."



Kalachakra (tib. dus kyi 'khor lo/ Dükyikhorlo), ou Roda do Tempo em sânscrito, é o nome de uma das principais divindades do budismo Vajrayana tibetano.
De acordo a tradição, os ensinamentos de Kalachakra foram transmitidos pelo Buddha Shakyamuni no século VI a.C., a pedido de Suchandra, o rei da terra pura de Shambhala.
Esses ensinamentos, compilados em um texto chamado Kalachakra Tantra, teriam sido transmitidos de geração a geração, de mestre a discípulo.




Os ensinamentos registados no Kalachakra Tantra são interpretados em três níveis — externo, interno e alternativo.
O Kalachakra externo se refere ao mundo físico, aos elementos do universo e às leis do tempo e do espaço, lidando com a astronomia, astrologia e matemática.
O Kalachakra interno corresponde aos elementos do corpo, aos agregados psicofísicos, às capacidades físicas e psíquicas, lidando com a fisiologia tântrica e com o sistema de energia do corpo humano.
O Kalachakra alternativo lida com a base, o caminho e o resultado das yogas, ou meditações, que conduzem ao estado iluminado da divindade Kalachakra e de sua mandala.
Deste modo, a prática do Kalachakra alternativo purifica os Kalachakras externo e interno.



Todos elementos dessa mandala — o diagrama simbólico de um palácio divino, a própria roda do tempo — representam algum aspecto da divindade Kalachakra e de sua terra pura.
Há 722 divindades na mandala, simbolizando os vários aspectos da consciência e da realidade que constituem a sabedoria de Kalachakra.


In DARMANET

Maria Elisete de Azevedo Welter


Namasté...

Sem comentários: