NO LIVRO DA TUA VIDA ...



A cada dia que te é facultado viver

Dentro dos 86.400 segundos que a cada 24 horas dispões,

Vives de escolhas... E se escolhes produzir o amor, o amor incondicional, o bom, o belo, o serviço altruísta, o apoio, a solidariedade, o acolhimento, o consolo, a elevação, a adoração a Deus tornando-te como Ele...

Escreves no diário de teus dias luminosos caminhos

Que te aconchegará o coração, que te farás feliz na tua quotidiana peregrinação, que fazes quando caminhas, pois tu és o próprio caminho... Que escolhes por espontaneidade de tua alma...

E no Livro de tua vida registaras mais um dom exercido, uma dádiva, um precioso crédito positivo para o galardão de tua própria glória...


A cada minuto que empregas com amor e sabedoria, com justiça e imparcialidade teus actos no mundo, no palco de tua vida que contracenas com todos teus companheiros de jornada no teatro da mente, na peça magistral engendrada pelo destino que tu mesmo teces... Quando por tua própria opção escolhes estar plenamente consciente de cada pensamento, de cada sentimento, de cada acção, de cada gesto por mínimo que seja... E que assim te fazes em crescendo um Guerreiro da Luz; portanto, aquele que labora pelos caminhos do amor, que oferece seus préstimos aos ditames do coração que a cada momento te solicita colaboração, teu apoio, teu braço forte, teus ouvidos que podem resgatar almas doridas... Pelo desabafar de lágrimas que regam o jardim do arrependimento, do relevar, do reconhecimento, da re-esperança e de novos votos de acerto, de perdão, de sublimação, que; assim, faz teu irmão mais perto de Ti e de Si mesmo, portanto mais perto de Deus...


No teu Livro da Vida fica tudo registado... Para o relatório que farás quando daqui partires rumo aos paramos da eternidade no julgamento divino que só a Deus pertence, que só por Sua Infinita Misericórdia e Compaixão, Só pelo Seu Único Amor te farás ainda mais feliz em tua nova jornada... Porque em teu Livro da Vida fica consignado que utilizastes teu livre-arbítrio em prol de tua própria benesse e da ventura alheia, espiritual e anímica no tempo a ti concedido neste mundo.


No teu Livro da Vida, porém, também fica milimetricamente registado, nas tuas memórias akáshicas, no gravador incessante de tua aura, cada ato teu, positivo ou negativo, bom ou não bom que plantaste ao sabor dos ventos... Ou das brisas... Quando colhes exactamente aquilo que plantas, quando principalmente optas por semear em solos férteis dos corações humanos teus mais belos sonhos que sonham em ti, mas que, também edificam e alicerçam os sonhos de teus irmãos de percurso, os sonhos que apoias de todos os teus entes queridos, que, não por acaso, contigo estiveram no mesmo tempo e espaço em que vives como parceiros de evolução que Deus te concedeu...


A cada novo dia, novas sementeiras de amor e luz se descortinam no passo a passo que dás... Convidando-te à feliz iniciativa, à pró-ação em favor de teu necessitado irmão. Irmão que o Cristo de enviou disfarçado de mendigo, de comerciante, de pedreiro, de professor, de director, de guarda de trânsito... De patrão ou de empregado... De criança, de adolescente, de adulto, de velhinho... Os quais, como tu, também ao portares uma persona única deves te comportar na peça da vida conforme o imperativo de teus sagrados deveres, de teus papéis...filho, filha, pai, mãe, esposo, esposa, colega, companheiro, (a), amigo, amiga, profissional...mas mais imperativo se torna teres cada vez mais consciência da essência que todos são...a essência humana e divina que és e que está em cada um de nós.


Assim, escreves a cada dia em nova folha em branco de teu caderno vivencial no preto e branco ou no multicolorido de tuas acções, com cada sacrifício ou renúncia que fizestes na mais pura intenção de servir a Deus, servindo às Suas criaturas. Trazendo o lenitivo do amor, do pão, do mel, do leito, da veste, da hospitalidade, do não julgamento, do silencio, àqueles que se acham sedentos de paz, de consolo, de justiça, de carinho, de afecto, de compreensão, de alimento espiritual e material para sobreviverem às procelas do tempo... Do tempo que, qual uma ampulheta inexorável se esvai célere no passar das horas... A cada nascer do sol, a cada ocaso, trazendo-te o alerta e o convite de que deves empregar com sabedoria essa dádiva que por Deus nos foi concedida: A nossa livre escolha do que fazer com nosso tempo. A nossa escolha de semear o joio ou o trigo. Como nos disse o Mestre: O cultivo é tu quem fazes, mas a colheita é obrigatória. Que irás fazer agora para anotares no teu Livro da Vida a página do teu hoje?


A ti será disponibilizado a qualquer momento, por reflexão e repensar, reexaminar tuas páginas anteriores através da mnemónica análise, para que aprendas, não para que revivas de novo a dor, a falha, as lágrimas, as mágoas, as perdas e os ganhos, as vitórias e os fracassos... O que passou... Mas para a imprescindível lição que deves aprender rapidamente para assim redireccionar sempre o leme do teu barquinho que por vezes ficou à deriva, mas que precisa chegar ao Porto Seguro, no ancoradouro da Liberdade contida no perdão, no Serviço e na acção sempre correcta.


No teu Livro da Vida está escrito em cada rodapé: “Tudo passa. Isto também passará.” Mas se vives na felicidade do servir ao teu próximo, ao animal, ao vegetal, ao mineral e todos os seres da natureza, aqui e agora encontrarás o Portal da Eternidade reservado ao fortes e determinados, àqueles que diariamente buscam superar-se, auto conhecerem-se, autoperdoar-se, transcenderem-se para bem além das ilusões nas aparências e véus que ocultam o realmente essencial pelos cenas desafiadores da vida.


Na última página de Teu Livro encontrarás um pequeno acróstico:


F ase
  I nicial
            M aravilhosa.


Seja bem-vindo irmão, irmã, a novos patamares evolutivos, aos Céus de tua Alma, à nova estrada celestial e multidimensional toda amorosa, toda em Luz,

Que suavemente te conduz

Ao infinito de Ti mesmo, portanto, à Magnificência Suprema

Do Amor,

Ao teu - nosso Criador,

À tua sagrada União

Com Deus.




Ivanildo Falcão da Gama




Namasté...

Sem comentários: