A CHAMA DO XAMÃ ...



O maior desejo de Balam era ter alguns dias a sós com sua Mestra.
Acreditava que desta forma seria mais fácil aprender os seus ensinamentos.
A Mestra sabendo dos desejos de Balam, resolveu lhe fazer uma surpresa.
Convidou Balam para passarem dois dias nas montanhas.
Balam deu pulos de alegria e foi correndo arrumar suas coisas para ir até as montanhas com sua Mestra. Chegando no lugar previsto pela Mestra, esta deu ordens a Balam para que ele armasse as barracas e procurasse por lenha.
Teriam que fazer uma fogueira, pois logo anoiteceria.
Balam, com grande devoção, armou as barracas e saiu saltitante em busca da lenha.
Qual foi sua surpresa, diante da dificuldade que teve para encontrar a tal lenha.
Depois de algumas horas, Balam voltou trazendo a lenha em seus braços.
Estava cansado e muito irritado, mas voltou a sorrir quando a Mestra veio ao seu encontro dando-lhe parabéns.
A Mestra sabia quanto era difícil encontrar lenha naquelas montanhas.
Balam deitou-se para descansar quando a Mestra interveio: Balam está anoitecendo e nós não temos fogo. Trate de andar rápido e faça uma boa fogueira para que possamos nos aquecer.
Balam não acreditou no que acabara de ouvir, mas, imediatamente se pôs a fazer a fogueira.
Quando o fogo estava já bem alto, a Mestra lhe agradeceu e se pôs a esquentar-se ao lado da fogueira. Balam deu-se por satisfeito.
Tudo estava na mais perfeita ordem.
Iria finalmente poder ouvir os ensinamentos da Mestra e depois descansar.
Foi então que a Mestra lhe falou: Balam vou recolher-me e ficarei a noite inteira a orar.
Quero dar-lhe uma missão: não permita, sob hipótese alguma, que este fogo se apague.
Amanhã, quando o sol raiar, este fogo deverá ainda estar aceso.
Balam tentou perguntar a Mestra o porque de tal pedido, mas esta já entrara em sua barraca para suas orações, e Balam sabia que não a poderia incomodar.
Entediado Balam sentou-se ao lado da fogueira.
Sabia que não poderia dormir, o fogo deveria permanecer aceso.
Colocava lenha de hora em hora para alimentar a fogueira, e de repente olhou para o céu viu que iria chover. Estava quase amanhecendo e Balam estava furioso.
Sentia tanta raiva que teve vontade de abandonar o acampamento.
Teve que desmontar sua barraca para poder cobrir a lenha e proteger a fogueira.
Estava todo molhado, e não suportando mais tanto sofrimento se pôs a chorar.
Foi quando a Mestra apareceu e lhe disse: Balam, se tens por propósito iluminar-te e servir a Wiracoccha, deves sempre estar muito bem disposto a cuidar da tua chama interior.
Não permitas que nenhum pensamento, nenhuma emoção, criados por tua própria mente, contamine a tua paz, a tua serenidade.
Deves procurar formas e formas de manter tua chama acesa, não te entregando jamais ao desespero.
A confiança em teu propósito é o que te guiará e o que te fará manter, sempre, este fogo aceso.
Sem esta chama, tu cairás na escuridão e o que poderás aprender quando nada podes ver?
Podemos desmontar o acampamento, meu discípulo, e voltar para o nosso templo.
A nossa missão aqui nas montanhas está cumprida.



Thálya Iktomi (1977-2004) - Xamanista e Sacerdotisa Wanga da Tradição Radá-canzo

Lenda Andina adaptada livremente

Sem comentários: